Projeto TransNegressão : Curso de aperfeiçoamento e formação acadêmica para acesso à pós-graduação - FACIP/UFU

O Projeto TransNegressão focará suas ações em favor de potencializar o processo formativo a aluno/as negro/as afim de que esse grupo seja representado na pós-graduação, equipando-os para a construção de projetos de pesquisa consistentes apropriados para concorrerem em processos seletivos de pós graduação de diversas universidades. Desta forma, o objeto deste projeto é potencializar a população negra para ingresso em programa de pós-graduação superando assim obstáculos ideológicos, políticos e preconceituosos. Subvertendo assim a lógica eurocêntrica vigente nas instituições de pesquisa e nos órgãos de decisão sobre as políticas científicas. Da mesma forma que o Teatro Experimental do Negro, liderado por Abdias do Nascimento, este projeto pretende dar continuidade ao processo coletivo de superação do racismo. 

 

Palavras-Chave pósgraduação ; Formação acadêmica ; Relações étnicoraciais

 

Período de Realização Início 28/08/2018                          Término 07/12/2018

Carga Horária Total 200 HORAS. 

GALERIA 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MARCHA DAS MULHERES NEGRAS DO PONTA

Uma mistura de emoção e militância. Mulheres negras demonstraram sua força política enquanto marchavam contra o racismo, a violência e pelo bem viver. A marcha acorrerá no Pontal do Triângulo Mineiro que resgata e valoriza a cultura africana e afro-brasileira.

GALERIA 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CURSO DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO PARA AS RELAÇÕES ETNICO-RACIAIS

Esta é uma proposta é inspirada em ações formativas em relação à implementação da Lei 10.639/03 desenvolvidas na  UFU,tanto em Uberlândia quanto em Ituiutaba no decorrer dos últimos anos. Em Uberlândia, nos anos de 2016-2017, bem como, das ações desenvolvidas nos anos de 2005, 2006 e 2007 pela PROEX/UFU no âmbito do Edital PEIC deste mesmo ano, um projeto intitulado “Racismo e Educação: desafios para a formação docente”. Este projeto coordenado na época pelo Profº drº Benjamin Xavier de Paula. Tinha como objetivo a implementação no âmbito da UFU do disposto

na Lei Federal 10.639/2003 e suas disposições correlatas, por meio de quatro ações articuladas. Este histórico corrobora para as atividades propostas nesta edição. Em Ituiutaba as ações foram desenvolvidas principalmente pelo Nepere – Núcelo de Estudos e pesquisas em Educação para as relações étnico-raciais e ações afirmativas. Entre as atividades podemos enumerar vários cursos de extensão como “ Axé para quem é de Axé” financiado pelo PROEXT. Além disso a realização de vários seminários abarcando estudos da área em Ituiutaba. Convergindo novamente, como eixo das ações de formação continuada de professores desenvolvidas no âmbito do Programa de Formação Inicial e Continuada de Profissionais da Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia. Esta proposta reune uma equipe que somam mais de quatro décadas de experiência no campo da educação das relações étnico-raciais, para o desenvolvimento de uma nova proposta de formação continuada de professores para a região do triangulo mineiro. O intuito é de responder com êxito.

Objetivo Geral

Promover a formação continuada dos professores da educação básica da rede pública de ensino do Triangulo Mineiro e Alto Paranaíba, com vistas a implementação do disposto na Lei Federal 10.639/2003 e 11.645/2008, que instituem a obrigatoriedade do ensino da História africana, afro-brasileira e indígena nos currículos das instituições de ensino, na perspectiva da Educação para as Relações Étnico-raciais.

Objetivos Específicos

• Institucionalização no âmbito da UFU de ações de formação continuada de professores com vistas a educação para as relações étnico-raciais, com vistas a implementação da Lei Federal 10.639/2003 e 11.645/2008;

• Fortalecer os vínculos institucionais entre a Universidade Federal de Uberlândia e a rede pública de educação básica por meio do envolvimento dos professores, profissionais da educação e ativistas do Movimento Negro, na implementação de ações com vistas à implementação do disposto nas leis Lei Federal 10.639/2003 e 11.645/2008;

• Formação continuada dos professores da educação básica das cidades com vistas a implementação do disposto nas leis Lei Federal 10.639/2003 e 11.645/2008, na perspectiva de uma formação antirracista amparadas no reconhecimento, valorização e promoção da educação para as relações étnico-raciais positivas;

• Contribuir com a melhoria do ensino público no estado de Minas Gerais e no Brasil, por meio da formação dos professores da educação básica para atuação qualificada mais qualificada nas escolas em que atual;

• Fomentar a elaboração implementação e desenvolvimento de ações voltadas para o cumprimento do disposto nas leis Lei Federal 10.639/2003 e 11.645/2008 no âmbito das escolas de educação básica do estado de Minas Gerais e do Brasil, por meio da qualificação dos professores da educação básica para estas ações;

• Fomentar o envolvimento e participação dos professores, profissionais da educação e ativistas do Movimento Negro em ações de pesquisa e extensão desenvolvidas com os professores da Universidade Federal de Uberlândia – UFU, com vistas a qualificação destes para as atividades acadêmicas de alto nível desenvolvidas no âmbito da universidade;

• Formação continuada dos professores da educação básica com vistas a preparação e incentivo dos mesmos ao ingresso nos programas de pós graduação strictu sensu das universidades brasileiras, com projetos de pesquisa e investigação vinculados a temáticas inerentes a educação para as relações étnico-raciais positivas, na perspectiva do disposto nas leis Lei Federal 10.639/2003 e 11.645/2008,

GALERIA 

 

 

 

 

Ciclo de debates dos movimentos sociais. Movimentos sociais e Educação: formas de reexistência aos diversos golpes.

O Ciclo dos Movimentos sociais: "Movimentos sociais e Educação: formas de reexistência aos diversos golpes” busca promover o diálogo entre os diferentes movimentos sociais, afim de que todos olhem para as questões relacionadas a território, cidade, juventude e cidadania de acordo com seus próprios valores e saberes, e de forma conjunta, buscarem formas de solucionarem problemas e potencializarem alternativas criativas.

 

Resumo Palavras-Chave Educação ; Movimentos sociais ; Território

Período de Realização Início 01/09/2018

Término 30/09/2018

Período de Inscrições Início Não definida Término Não definida

 

Carga Horária Total 20

CONHEÇA NOSSOS PALESTRANTES 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

GALERIA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Roda de Conversa Ligações Brasil - África, conexões ancestrais.

 

Resumo 

Roda de conversa com a Profª Drª Cecile Prof Dr Cecile Dolisane, da Universidade Yaundé I, da República de Camarões, Prof Drª Suzana Carmo - UFU e Prof Drº Benjamin Xavier de Paula - UFU, mediada pela Profª Drª Luciane Ribeiro Dias Gonçalves que abarcará temáticas como africanidades, ancestralidade, história da África, mulheres negras e literatura. Resumo Palavras-Chave Educação para as relações étnico raciais ; República de Camarões ; Africa

 

Período de Realização

Início 04/08/2018 Término 04/08/2018

 

Período de Inscrições Início 04/08/2018 Término 04/08/2018

 

Carga Horária Total 4

GALERIA

 

 

 

25446111_972294336242316_407152349082453

Professor João Henrique Santana Stacciarini 

Dia 05/09/2018 - 

Atualmente é Professor Substituto do curso de Geografia no Instituto de Ciências Humanas (ICH) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU/Ituiutaba). Durante os anos de 2016 e 2017 atuou como Professor (e Monitor) Voluntário de Geografia no Cursinho Social Futuro Pré-Vestibular Alternativo (Uberlândia/MG). Em 2018 e 2016 participou de Missões Científicas, respectivamente, em Cuba e Panamá (América Central) e Moçambique (Continente Africano), onde foram realizadas palestras, investigações, visitas e trabalhos de campo juntamente com o Grupo de Pesquisa Dona Alzira (Espaço, Sujeito e Existência - IESA/UFG). Durante a graduação em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU/IG), atuou como bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC/CNPQ/UFU por dois anos. Atuou também como Bolsista do PIBID (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência) na Escola Estadual Antônio Thomaz Ferreira Rezende no Município de Uberlândia (MG) e como Monitor Voluntário da Universidade Federal de Uberlândia nas Disciplinas de Geografia Econômica e Geografia Rural. Entre 2010-2013 atuou como graduando em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Goiás (UFG).

21686462_2009425252672116_63081020877781

Mônica Cunha 

Dia 12/09/2018 - A militarização e as várias formas de resistência 

Técnica em educação social. 

22279571_786801921522155_795817177236596

Jaqueline Aparecida Souza Franco 

Dia 12/09/2018 - A militarização e as várias formas de resistência 

Bolsista do Program Abdias Nascimento atuando junto ao "Projeto TransNegressão: Curso de extensão em formação acadêmica para acesso a pós graduação - UFU - "Programa Abdias Nascimento" tendo como registro no SIEX o número 15493 de 2017

download.jpg

Professor Roberto Dalmo Varallo Lima de Oliveira

Dia 19/09/2018 - Os movimentos sociais e a luta pelos direitos humanos.

Licenciado em Química pela Universidade Federal Fluminense (2012), Mestre em Ciência, Tecnologia e Educação pelo CEFET-RJ (2014), Doutor em Ciência, Tecnologia e Educação pelo CEFET-RJ (2017). Foi professor da Escola Básica e, atualmente, professor da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Atua principalmente na busca pela convergência entre Educação em Ciências e Educação em Direitos Humanos, (re)pensando a prática e a formação de Professores de Ciências.

29340367_2046784055349428_55669225221353

Professora Ms. Adriana Andrade Ruas 

Dia 19/09/2018 - Os movimentos sociais e a luta pelos direitos humanos.

Possui graduação em Direito pela Universidade Gama Filho (2003), mestrado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2006) e doutorado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2017). Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direito Internacional Público, atuando principalmente nos seguintes temas: direitos fundamentais, dignidade humana, dignidade da pessoa humana, participação popular e minimo existencial.

13344564_1079604425448373_23969324790339

Lucas Matheus Dias Gonçalves 

Dia 19/09/2018 - Os movimentos sociais e a luta pelos direitos humanos.

Graduado em Serviço Serviço Social pela Universidade Federal de Uberlândia Atuei como Assistente Social na coordenação do projeto de pós ocupação do Programa Minha Casa Minha Vida do Bairro Buritis em Ituiutaba pela empresa Paisagem Ambiental. Atualmente trabalho como assistente social no CREAS Ituiutaba, no setor de Medida Socioeducativa com adolescentes que cometem atos infracionais.

servletrecuperafoto (2).gif

Ayana Odara de Brito 

Dia 26/09/2018 - Feminismo negro e a Marcha das mulheres negras

Ayana Odara possui 19 anos, é mineira de Belo Horizonte. Atualmente é graduanda em Gestão Pública pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Foi apontada como uma dos cinco jovens negros que o mundo precisa conhecer em 2016 de acordo com o site Monique Evelle. Em 2018 foi integrante do projeto Empoderando a Latinoamérica no México promovido pela rede Empoderando Juventudes, Por formação é Técnica em Química pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, CEFET/MG. É ativista do movimento negro antirracista e defende o empoderamento da juventude negra como estratégia determinante para o desenvolvimento. Já atuou no Nzinga Coletivo de Mulheres Negras (Belo Horizonte/MG), ODARA - Instituto da Mulher Negra (Salvador/BA) e Desabafo Social (Bahia e Minas Gerais). No período de 2014 à 2016 foi integrante da Comissão de Diplomacia do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerias. Esteve presente no processo de formação e organização da Marcha das Mulheres Negras em 2015 (Brasília/DF) que tinha como lema "Pelo fim do racismo, do machismo e pelo bem viver" e desde então possui esse lema para todos os seus caminhos. Escreve grande parte das suas experiências vividas em textos que são publicados em grandes portais como Blogueiras Negras e População Negra e Saúde.

34579133_1685866818115370_66470431757288

Maria Abadia 

Dia 26/09/2018 - Feminismo negro e a Marcha das mulheres negras

Graduanda em pedagogia pela Universidade Federal de Uberlândia. 

servletrecuperafoto (3).gif

Dia 26/09/2018 - Feminismo negro e a Marcha das mulheres negras

Mestre em Ciências Sociais pelo Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais - PPGCS/UFU da Universidade Federal de Uberlândia, sob orientação da Prof. Dra Patrícia Trópia., com a dissertação ?O IMPACTO DAS CONFERÊNCIAS DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES NAS ATIVIDADES DO LEGISLATIVO FEDERAL?. Graduada em Ciências Sociais pela mesma instituição sob a orientação do Prof. Dr. Sidartha Sória e Silva. Tem como linha de pesquisa a temática de Gênero, participação social e Políticas Públicas. Integrou o Grupo de Pesquisa "Participação das mulheres em Programas de Transferência Condicionada de Renda no Brasil: avanços e contradições para um projeto feminista de empoderamento" coordenado pela professora Dra. Silvana Aparecida Mariano no ano de 2009. Nos anos de 2009 e 2010 foi bolsista do grupo Institucional PET- Programa de Educação Tutorial - Ciências Sociais. Foi bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica - PIBIC/FAPEMIG, desenvolvendo o projeto de pesquisa ESTADO E POLÍTICA: A SUB-REPRESENTAÇÃO FEMININA NA CÂMARA MUNICIPAL DA CIDADE DE UBERLÂNDIA sob orientação do professor Dr. Alessandro André Leme de 2011 a 2012.

De Maré em maré: relato de experiência participação na Universidade Popular dos Movimentos Sociais na Maré - MARIELLE VIVE!​

Resumo

O relato de experiência dará ciência as atividades presenciadas/vivenciadas durante a Oficina da Universidade Popular dos Movimentos sociais - UPMS "Marielle Vive! Os movimentos sociais e as lutas pela construção de alternativas democráticas frente às múltiplas faces da violência" realizada entre os dias 14 e 16 de junho de 2018, no Museu da Favela da Maré - Rio de Janeiro. A programação contou com reflexões e atos públicos. Todas as atividades puderam demonstrar a importância educacional e política do Museu na Maré em seu contexto. 

Palavras-Chave

Universidade Popular dos Movimentos sociais ; Direitos Humanos e justiça ; Formação docente.

 

Período de Realização

Início 20/08/2018 Término 20/08/2018

 

Período de Inscrições

Início 20/08/2018 Término 20/08/2018

Carga Horária Total 4

GALERIA 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ESTÁGIO INTERDISCIPLINAR DE VIVÊNCIA QUILOMBOLA

PARACATU - MG

Resumo: 

Estágio Interdisciplinar de Vivência Quilombola é a imersão dos cursistas numa experiência viva da História e da Cultura Afro-brasileira, por meio da preparação, integração e vivência junto a uma comunidade quilombola. O foco da vivência é o diálogo com os saberes ancestrais de matrizes africanas. Busca assim aproximação aos valores civilizatórios ancestrais negros, na expectativa de diversificar as possibilidades de visão de mundo baseado em um conhecimento diferenciado.

Objetivo Geral

Promover o Estágio Interdisciplinar de Vivência em Comunidades Quilombolas no Brasil com vistas ao desenvolvimento de aprendizagens significativas com foco na participação dos estudantes do curso em integração com os estudantes dos cursos de graduação e pós graduação da UFU.

 

Objetivos Específicos

Impulsionar o desenvolvimento de aprendizagens significativas dos participantes por meio da imersão na vida cotidiana das comunidades envolvidas com a proposta e do diálogo com os saberes de vida dos seus moradores

Avaliação do Projeto

O projeto será avaliada de forma processual durante a realização das atividades diversas de vivência por meio do envolvimento de todos no processo. Será ainda realizados relatórios e portifólios das atividades realizadas.

Público Atingido Direto 40 Indireto 120 Total 160

GALERIA 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Seminário da congada: possibilidade de implementação da Lei 10.639/03

A Irmandade realiza há 60 anos as festividades em louvor a São Benedito e a Nossa Senhora do Rosário, por intermédio de seus grupos de congos, moçambiques, marinheiro e o grupo de Trança de Fitas. Realiza também o Encontro Regional dos Ternos de Congos, Moçambiques, Marujos e Catupés. Tais eventos são realizados com ajuda da comunidade de um modo geral, do comércio local e uma verba anual da Prefeitura Municipal. Este projeto pretende corroborar a toda manifestação r na perspectiva de reflexões acadêmicas e militantes sobre o tema. Desta forma, essa manifestação religiosa é um grande instrumento para implementação da Lei 10.639/03 no contexto escolar. Este seminário visa fazer esse diálogo.

Objetivo Geral Discutir aspectos acadêmicos e militantes relacionados à pratica da congada na região do triângulo mineiro com alunos da Educação básica, discentes e comunidade em geral. Objetivos Específicos Fortalecer as ações de implementação da Lei 10.639/03 na Educação básica e na universidade.

Público Almejado

Docentes e discentes do Nepere, Neabi e TransNegressão.

Galeria de fotos 

 

 

 

PROGRAMAÇÃO 

16 DE MAIO

19:30 ás 22:00

Palestra de abertura

PALESTRA DE ABERTURA

 

Irmandades negras, reconhecimento e cidadania.

Profª Renata Nogueira da Silva -

( UnB- Secretaria de Educação do DF)

Local: Facip – auditório III

17 DE MAIO

Horário 14:00

OFICINA DE CONGADA PARA A PETIZADA

 

Artes integradas para a construção de histórias sobre a tradição.

Iara Aparecida Ferreira – (Congadeira e Assistente social - Moçambique Estrela Guia)

Local: Facip – auditório III

Aluno/as de escolas convidadas.

Horário 19:00

PALESTRA

Congada: conhecendo e resistindo na tradição.

Iara Aparecida Ferreira – (Congadeira e Assistente social - Moçambique Estrela Guia)

 

Local: Facip – auditório III

18 DE MAIO

Horário 14:00

OFICINA DE CONGADA PARA A PETIZADA

Saberes e fazeres congadeiros: dançando , cantando e resistindo.

Profª Renata Nogueira da Silva -

( UnB- Secretaria de Educação do DF)

Local: Facip – auditório III

Aluno/as de escolas convidadas.

Horário 18:00

LANÇAMENTOS DE LIVROS COM AUTORES E COMERCIALIZAÇÃO DE OBRAS

Horário 19:00

MESA REDONDA

Práticas congadeiras e educação para as relações étnico raciais: desafio e potencialidades.

Profª Cairo

Jeremias

Profª Renata Nogueira da Silva -

( UnB- Secretaria de Educação do DF)

Local: Facip – auditório III

GALERIA

 

Visita técnica à Universidade Federal de Ouro Preto

A visita técnica presente no Eixo 3 - Relações étnico-raciais e direitos humanos, do Projeto TransNegressão: Curso de especialização em formação acadêmica para acesso à pós-graduação - FACIP/UFU, objetiva promover a aproximação dos alunos cursistas com programas de pós-graduação e suas linhas de pesquisa. Para esta visita técnica estamos propondo a interlocução com a Universidade de Ouro Preto – Ufop - por conta das várias atividades desenvolvidas nesta universidade que guardam estreita afinidade com os objetivos desta proposta de trabalho. A proposta desta visita técnica e sermos recebidos pelo Programa de pósgraduação em Educação e pelo Núcleo de estudos afro-brasileiros e indígenas.

Objetivo Geral

Oportunizar à alunos do Projeto TransNegressão e a comunidade acadêmica visita técnica à cidade de Ouro Preto para reconhecimento do contexto histórico desta cidade marcado profundamente pela história de escravização brasileira no mundo da mineração buscando descontruir esterótipos oriundos deste contexto, aproximando ainda com programas de pós-graduação da Ufop, com intuito de reconhecimento para o/as aluno/as cursistas das perspectivas teórico-metodológicas, epistemológicas e organizacionais dos mesmos.

 

Objetivos Específicos

Conhecer locais que revelam a história africana e afro-brasileira como museus, casas e minas; Revisitar a história negra de Ouro Preto por meio da apresentação do Projeto Outro Preto; Visitar museus, igrejas e demais estabelecimentos que guardam a memória da cidade de Ouro Preto; Identificar programas de pós-graduação da Ufop afim de estabelecer relações entre as linhas de pesquisa e o contexto histórico de Ouro Preto de uma forma ressignificada.

Público Almejado

Docentes e discentes do Nepere, Neabi e TransNegressão.

 

GALERIA

 

 

Mesa comemorativa - 20 anos de Prevesti - Transformando vidas - Ações afirmativas, acesso ao Ensino superior e a população negra ituiutabana.

 

O Curso Pré-vestibular para aluno/as negro/as e carentes foi criado no ano de 1998 com intenção de promover acesso à aluno/as negro/as ituiutabano/as ao Ensino Superior. Este ano o curso completa 20 anos mostrando a sua importância no contexto educacional da cidade, bem como na transformação da vida de muito/as aluno/as negro/as.

Palavras-Chave Acesso ao Ensino Superior ; Ações afirmativas ; Relações étnico raciais

 

Período de Realização Início 29/03/2018

HAVERÁ EMISSÃO DE CERTIFICADOS 

Coordenação geral 

Professora Dra. Luciane Ribeiro Dias Gonçalves 

Comissão Organizadora 

Marcelo Vitor Rodrigues Nogueira 

GALERIA 

Visita Técnica II Congresso de pesquisadore(a)s negro(as) da região sudeste.

O II Copene Sudeste ocorreu na Faculdade de Educação da UFMG, entre os dias 27/02/2018 a 02/03/2018. Os participantes da visita técnica tiveram oportunidade de envolver-se em atividades intervenções Artísticas, que dialogaram com o espaço da feira Nzo yê sobana. Incluindo ainda Roda de Conversa com temas como sobre a intervenção militar no Rio de Janeiro. Ocorreram trabalhos em vários GTs, mini cursos, lançamento de livros e palestras. Ocorreram debates teóricos e metodológicos sobre pesquisas relacionadas às relações étnico-raciais e racismo

GALERIA